quarta-feira, 22 de abril de 2015

Programação Semanal da Brechoteca - Biblioteca Popular

Olá, Pessoal!

O mês ainda não acabou mas já tem novidade boa na programação da Brechoteca - Biblioteca Popular!
A novidade é a oficina de Xadrez e Literatura, que  tem o objetivo de utilizar o xadrez como importante ferramenta de aproximação com a leitura.
Essa oficina será realizada pelo Serginho Poeta que além de escritor e comediante, é historiador e arte-educador. A oficina tem duração de dois meses e faz parte do projeto Sarau do Binho - Rumos/Itaú Cultural.
Fique atento a programação e venha participar com a gente!



quarta-feira, 8 de abril de 2015

I Encontro da Beleza, Encontrando a Si Mesma

Há bastante tempo nós do Coletivo Achadouros de Histórias nos deparamos com situações, cenas  e experiências sobre questões étnico-raciais, especialmente ligadas a cabelo no cotidiano da Brechoteca. O cabelo tem seus simbolismos, gostar do cabelo é gostar do seu corpo, se respeitar.  E é na primeira infância que começamos a construir nossa identidade e bases psicológicas por meio dos valores que introjetamos, das trocas sociais que vivemos. É nesse jogo entre a subjetividade que está se formando, a família e a convivência social que, aos poucos, estruturamos nossa identidade. 

As classes dominantes, a mídia e toda uma questão sócio-histórica  vem tentando nos dizer que existe apenas um padrão de beleza. Somos massacrados diariamente, nos dizem que para ser bonito e bem sucedido precisamos ser branco, alto, magro, ter o cabelo liso, ser rico, estar "bem arrumado", precisamos consumir etc.

Pensando um pouco nestas questões promovemos no dia 28 de março, na Brechoteca, o I Encontro da Beleza, encontrando a si mesma. Foi um dia muito especial, de forma lúdica propomos atividades que pudessem trazer a mensagem da diversidade presente na beleza, a apreciação de si mesmo e do respeito como o outro.

Desenhamos, dançamos, conversamos, contamos nossas histórias, assistimos vídeos da Carolina Monteiro, uma garotinha de oito anos que fala sobre seu cabelo Black maravilhoso e dá dicas de leituras, arrumamos nossos cabelos, soltamos as madeixas, encrespamos, enrolamos.  Tivemos a participação especial da Alessandra Leite, querida contadora de histórias, que compartilhou passagens da sua infância e nos ensinou como fazer dreads nos cabelos e outras possibilidades de brincar com eles!

Como parte da ação, confeccionamos espelhos personalizados para cada uma das meninas. Em cada espelho, elas escreveram frases atrás deles, para quando houver a necessidade de reafirmar sua beleza única e alimentar a auto-estima, possam reler e lembrar o quanto cada uma delas são belas e autênticas!




E para fechar o dia com chave de ouro, recitamos um trecho da poesia de Akins Kintê.

“Duro”
Por tê-lo e por ser belo
O cabelo
Querem zero, ou prende-lo
Eu não quero
E o barbeiro amarela
Na dele
Naquelas
Sem atitude sem negritude
O branquela
Não entende crespitude
Racismo
É engodo e sequela
Engorda os de lá
E os de cá esfarela

Zelo o crespo com fulgor
Negro zela com amor
Para entendê-lo
Berro, quirela, enterro
Aquela falsa abolição
Exijo mais pente afro
Menos ferro, menos favela.
Mais terra e condição

O duro não é o cabelo
São as escolas e suas deixas
O sistema e suas brechas
O crespo é toda uma vida
Quando livre as madeixas